terça-feira, 16 de outubro de 2018

#HappyBirthdayFlea



Hoje, 16 de outubro de 2018, Flea comemora 56 anos!

Vale a pena ler um pouco da história e trajetória do nosso grande baixista, desde sua infância, participações nos álbuns até os dias de hoje.

Início 
Flea nasceu em Burwood, Melbourne, Austrália. Seu pai, Mick Balzary, um ávido pescador, muitas vezes levou-o para pesca. Quando tinha 5 anos foi para Larchmont, Nova Iorque nos Estados Unidos com sua família por causa da carreira de seu pai. Em 1971, seus pais se divorciaram e seu pai retornou a Austrália. Depois do divorcio dos pais, em 1972, Flea e seus irmãos ficaram com sua mãe, que logo se casou com um músico de jazz. A família se mudou novamente para Los Angeles, Califórnia, onde Flea ficou fascinado com o trompete. Ele não tinha interesse em rock na época, ele idolatrava músicos de jazz como Miles Davis, Louis Armstrong e Dizzy Gillespie.


Fairfax HighSchool 
Flea estava estudando na Fair fax HighSchool, e era fascinado com a trombeta, praticando muito também, não tendo interesse em música rock na época. Seus colegas debochavam de seu sotaque autraliano-nova iorquino e de seu "estranho" gosto musical.

Conheceu Anthony Kiedis ainda na escola, e depois de uma breve conversa, os dois se tornaram melhores amigos. Kiedis relembra: "Nós fomos atraídos um ao outro pelas forças do mal, do amor e que nos tornamos praticamente inseparáveis. Encontramos um ao outro e acabou por ser a amizade mais duradoura da minha vida". Flea foi transformando seu gosto para o rock, principalmente o punk rock por um amigo no colégio chamado Hillel Slovak. Slovak pediu-lhe para ser um baixista de uma banda punk estava começando. Ele conheceu Anthony Kiedis, eles tornaram-se companheiros de quarto e depois de um tempo, eles foram oferecidos um show e tocou com um nome provisório. No entanto, todos os shows depois disso, eles eram conhecidos como os Red Hot Chili Peppers. Flea logo adotou o apelido, dado a ele em uma viagem de esqui, em referência à sua natureza nervosa e inconstante.

Vida Pessoal 



De 1985 a 1990 Flea foi casado com Loesha Zeviar. Juntos eles tiveram uma filha, Clara Balzary, que nasceu em 1988. Clara tem sido destaque em muitos livros e documentários dos Chili Peppers, incluindo o documentário da banda chamado Funky Monks. Ela também já apareceu em vários shows e até mesmo como uma criança, desde obras de arte para a banda de camisetas e material promocional. Adulta, Clara foi mais recentemente membro da banda de curta duração The Tints e também é uma fotógrafa, tendo feito as fotos promocionais para o mais recente álbum do Red Hot Chili Peppers, I'm With You.Flea é um antigo torcedor do Los Angeles Lakers junto com o amigo e cantor Anthony Kiedis. Flea se casou pela segunda vez em 2005 com a modelo Frankie Rayder. Eles tiveram seu primeiro filho juntos, Sunny Bebop Balzary, que nasceu em 2005. John Frusciante é o padrinho de Sunny.


Participações em filmes 
Flea Participou de muitos filmes, entre eles: The Wild Side (1983), Thrashin' (1986),Suburbia (1986), Thought Guys (1986), Dudes (1987), Less Than Zero (1987), Stranded (1987), The Blue Iguana (1988), Let's Get Lost (1988), Back To The Future Part II (1989), Back To The Future Part III (1990), My Own Private Idaho (1991), Motorama (1992), Roadside Prophets (1992), Son in Law (1993), The Chase (1994), Just Your Luck (1996), Whiskey Down (1996) , Liar's Poker (1997), Gen 13 (1998), The Big Lebowski (1998), Fear And Loathing in Las Vegas (1998), The Wild Thornberrys (1998) - TV series [voice], Psyco (1998).


Estilo Musical 
Flea exibiu uma grande variedade de técnicas ao longo dos anos, que vão desde o seu uso inicial do slap com os métodos mais tradicionais por ele utilizados desde o Blood Sugar Sex Magik. Greg Prato da Allmusic diz que: "através da combinação do estilo funk no baixo com psicodélico, punk e hard rock, Flea criou um estilo original de tocar que foi copiado inúmeras vezes." Billy Corgan, do The Smashing Pumpkins recorda que, quando viu pela primeira vez o Red Hot Chili Peppers em 1984: Flea estava tocando de forma tão agressiva que tinha feito um buraco em seu polegar e ele gritava de dor entre as músicas, de tanto que doía. Flea é dono de uma Fender Jazz Bass 1961, valorizando-o pela sua "som de madeira velha". Ele tem contribuído para o som do Red Hot Chili Peppers 'não só com o baixo, mas por tocar trompete, assim, que pode ser ouvido em várias músicas, como em "Subway to Venus" e "Taste The Pain" do álbum Mother's Milk e "Torture Me" e "Hump De Bump" do Stadium Arcadium. Flea declarou em uma entrevista que ele foi muito influenciado pelo trompetista Louis Armstrong.

Gravações com o Red Hot Chili Peppers e Rock And Roll Hall Of Fame 2012 

Flea participou de todos os álbuns do Red Hot Chili Peppers juntamente com o vocalista Anthony Kiedis. O mais recente álbum é o "The Getaway" de 2016. Até o momento, o Red Hot Chili Peppers já venderam mais de 65 milhões de álbuns em todo o mundo. O grupo detêm o recorde de mais hits número um na Alternative Songs (12) e ganharam 6 vezes o Grammy Awards. No dia de 14 de abril de 2012, o Red Hot Chili Peppers entrou na história da música ao entrar no Rock And Roll Hall Of Fame.

#HappyBirthdayFlea

domingo, 14 de outubro de 2018

Review: Red Hot Chili Peppers live @ Porto Alegre, Rio Grande do Sul - 14/10/2002

Hoje, 14 de outubro de 2018, completa 16 anos do show do Red Hot Chili Peppers na cidade de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Foi a última apresentação da banda no Brasil durante a turnê mundial do álbum "By The Way" em 2002.

O grupo californiano Red Hot Chili Peppers encerrou em Porto Alegre (RS) sua mini-turnê brasileira. Foram colocados à venda 15 mil ingressos. Os dois shows que o Chili Peppers fez no Rio de Janeiro e em São Paulo empolgaram a platéia.

No Rio, foram 8.500 pessoas. Em São Paulo, 50 mil.

Os shows foram praticamente iguais, com abertura da música "By the Way", hit que emplacou o novo CD, com o mesmo nome. Sucessos antigos, no entanto, transformam a apresentação em algo memorável. A banda de abertura do show no entanto foi diferente dos shows em São Paulo e no Rio de Janeiro que tiveram a abertura da banda Detonautas. A banda de abertura do show em Porto Alegre foi da Comunidade Nin-Jitsu.

Depois de "Give It Away", talvez o maior sucesso, gravada em 1991, a banda embalou em "Under The Bridge" para terminar o show, com um bis de três músicas.

Red Hot Chili Peppers 
Onde: Ginásio Gigantinho, em Porto Alegre (av. Padre Cacique, 981)
Quando: segunda, dia 14, às 21h15
Show de abertura: Comunidade Nin-Jitsu
Quanto: R$ 70 (arquibancada e pista) e R$ 100 (cadeira) 

Set-list:

1. Intro 
2. By The Way 
3. Scar Tissue 
4. Around The World 
5. Universally Speaking
6. Otherside 
7. Right On Time 
8. Don't Forget Me 
9. Easily 
10. Trow Away Your Television
11. Parallel Universe 
12. The Zephyr Song 
13. Venice Queen 
14. Californication 
15. Can't Stop 
16. Give it Away 

Encore: 

17. Chad Drum Solo 
18. Under The Bridge 
19. Me and My Friends

Fotos:




sexta-feira, 12 de outubro de 2018

Review: Red Hot Chili Peppers live @ São Paulo, São Paulo - 12/10/2002

Cerca de 50 mil pessoas lotaram o Pacaembu para assistir o Red Hot Chili Peppers
Hoje, 12 de outubro de 2018, completa 16 anos do show do Red Hot Chili Peppers em São Paulo - SP em turnê mundial do álbum "By The Way". O local do show foi no estádio do Pacaembu.

De acordo com informações da assessoria de imprensa do show do Red Hot Chili Peppers, 50 mil pessoas foram ao estádio do Pacaembu na noite do sábado (12/10/2002) para assistir ao segundo show que a banda californiana faz no Brasil nesta semana. Na sexta-feira, dia 11, no Rio de Janeiro, o grupo lotou a casa de espetáculos ATL Hall, na Barra (zona oeste), quando fez seu primeiro show desta temporada no Brasil.

Tanto o show do Rio quanto o de São Paulo foram abertos pela banda Detonautas, que lançaram o primeiro CD. O show de abertura durou meia hora. Começou por volta de 20h27 e terminou às 20h57. O vocalista Tico terminou o show dizendo que havia visto o show do Red Hot no Rio e que gostou demais. "Os caras são foda", disse, no palco.

O show do Red Hot começou pouco antes das 22h com a música "By the Way", a exemplo da apresentação que a banda fez no Rio de Janeiro. Depois, cantou "Scar Tissue", do CD anterior, "Californication" (1999).

Durante o show, a VJ brasileira Fernanda Lima apareceu no palco para pedir para a platéia que parasse com o empurra-empurra para não derrubar a grade de segurança da frente do palco. "Vamos curtir o show na paz", pediu.

O show, que começou por volta das 21h45 e terminou às 23h30, reunindo cerca de 50 mil pessoas no Pacaembu, fica na memória dos fãs do Chili Peppers.

Este foi o segundo show deles no Brasil durante a turnê mundial do álbum "By The Way. O primeiro foi no dia anterior no Rio de Janeiro no ATL Hall. O outro show foi na cidade de Porto Alegre, no dia 14/10/2002.

Confiram o set list do show:

1. Intro
2. By The Way 
3. Scar Tissue 
4. Around the World 
5. Universally Speaking 
6. Otherside 
7. Suck My Kiss 
8. The Zephyr Song 
9. Paralel Universe 
10. If You Have to Ask 
11. Right On Time 
12. I Could Have Lied 
13. Can't Stop 
14. Californication 
15. Venice Queen 
16. Give it Away 
17. Under the Bridge 

Encore: 

18. Havana Affair 
19. Me and My friends

Vídeo do show:

  

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Review: Red Hot Chili Peppers live @ Rio de Janeiro, Rio de Janeiro - 11/10/2002


Hoje, 11 de outubro de 2018, completa 16 anos do show do Red Hot Chili Peppers no Rio de Janeiro - RJ em turnê mundial do álbum "By The Way". O local do show foi no ATL Hall.

Matéria publicada no dia 11/10/2002 por Ellen Soares (free-lance para a Folha Online, no Rio)

8.500 pessoas lotam ATL Hall para ver Red Hot no Rio de Janeiro

Cerca de 8.500 pessoas lotaram na noite desta sexta-feira o ATL Hall, no Rio de Janeiro, onde aconteceu a primeira apresentação da turnê que o grupo californiano Red Hot Chili Peppers faz no Brasil nesta semana.

O número de ingressos vendidos foi maior que a expectativa inicial da organização do megaevento, que era de vender 7.000 entradas. Muita gente ficou na porta do ATL Hall, que fica na Barra (zona oeste do Rio), tentando entrar.

Os quatro integrantes do Red Hot chegaram ao Brasil ontem, ficaram no Rio de Janeiro, e só depois do show de hoje partem para São Paulo, onde fazem show neste sábado, dia 12, no Pacaembu. O baixista do Red Hot, Flea, parou o show para dizer que acordou muito entusiasmado nesta sexta-feira.

Ele disse também que passeou pelas ruas do Rio de Janeiro e que surfou bastante na praia.

Matéria publicada no dia 12/11/2002 por Ellen Soares (free-lance para a Folha Online, no Rio)

Red Hot encerra show no Rio com músicas de 1991

Foi para matar saudade. O show do Red Hot Chili Peppers no Rio de Janeiro nesta sexta-feira passou para a madrugada do sábado - dia em que o grupo californiano faz show em São Paulo - com um tom de volta ao passado. A banda se apresentou no ATL Hall para um público de 8.500 pessoas.

O show teve cerca de uma hora e meia de duração.

Vejam o setlist do show:

1. Intro
2. By The Way
3. Scar Tissue
4. Around The World
5. Universally Speaking
6. Suck My Kiss
7. Parallel Universe
8. Don't Forget Me
9. Havana Affair
10. The Zephyr Song
11. Californication
12. What is soul
13. Right On Time
14. Can't Stop
15. Otherside
16. I Could Have Lied
17. Venice Queen
18. Give It Away

Encore:

19. Under The Bridge
20. Me And My Friends

quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Red Hot Chili Peppers - Jam + Pink As Floyd [tease] live @ Los Angeles, CA - 2012

Durante o show do Red Hot Chili Peppers em Los Angeles, Califórnia no dia 11 de agosto de 2012, a banda fez um tease da música "Pink As Floyd", uma das b-sides da "I'm with You Sessions".

A música "Pink As Floyd" foi lançada oficialmente no dia 04 de janeiro de 2013 e faz parte da “I’m Beside You”, uma edição limitada de duplo vinil LP ao qual apresenta 17 b-sides gravadas durante a “I’m With You Sessions”, lançado anteriormente como 7 “singles.

Vale a pena ver a performance:


Red Hot Chili Peppers - Snow ((Hey Oh)) live @ Rock In Rio Lisbon, Portugal - 2006

De acordo com o vocalista Anthony Kiedis falando sobre a música: "Pessoalmente, minha favorita. A letra diz (juntamente com o refrão 'I really can't go to that well no more') que nunca é tarde para mudar a sua vida, por mais fodido, sujo e destruído você estiver. Uma camada fresca de neve sempre pode cair e tornar o chão sujo em puro."

Vale a pena ver a performance da banda tocando no festival do Rock In Rio em Portugal, no ano de 2006:


segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Red Hot Chili Peppers - Wet Sand (Vídeo Montagem)

De acordo com o vocalista Anthony Kiedis, a música Wet Sand: "É sobre um cara que acredita na criação divina discutindo com uma garota, um trem desgovernado que acredita na evolução. Eles discutem e não conseguem se reconciliar."

Vale a pena ver um vídeo montagem no YouTube da faixa 13 (Jupiter) do álbum Stadium Arcadium (2006).

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Curiosidades RHCP: Anthony Kiedis canta a frase nada menos que 69 vezes na faixa "Give It Away"

Ao longo dos dias, será postado aqui no Blog RHCP Brasil curiosidades do Red Hot Chili Peppers ao longo de toda história da banda, contando também um pouco de curiosidades dos membros e ex-membros da banda.

A próxima curiosidade será do vocalista Anthony Kiedis ao qual canta a frase nada menos que 69 vezes na faixa "Give It Away".

Matéria publicada pela página Warner Music Brasil Catálogo no Facebook: 



Anthony Kiedis canta a frase nada menos que 69 vezes na faixa "Give It Away", sucesso do disco "Blood Sugar Sex Magik" (1991). Ele foi inspirado por um mantra da sua ex-namorada Nina Hagen, que pregava o desapego dos pertences pessoais que estivessem sobrando como uma forma de atrair boas energias.

Anthony Kiedis talks about Nina Hagen and an interview with Nina Hagen - Punk + Glory (1999)

quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Review: Chad Smith & Ian Paice - Modern Drummer Festival 2005

Em 2005, o festival mais prestigiado de bateria do mundo mudou-se para o espectacular New Jersey Performing Arts Center (NJPAC), e a combinação de talentos de classe mundial e instalações de classe mundial levantou a barra para todos os festivais de bateria no planeta.

Os bateristas Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) e Ian Paice (Deep Purple) fizeram uma apresentação incrível neste festival. Abaixo o vídeo da apresentação:

  

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

#HappyBirthdayJoshKlinghoffer


Hoje, 03 de outubro de 2018, nosso guitarrista Josh Klinghoffer comemora 39 anos!

Vale a pena ler um pouco da história e trajetória do nosso grande guitarrista, desde sua infância, colaborações musicais, até a entrada ao Red Hot Chili Peppers.

Início 
Josh Klinghoffer foi envolvido com música desde quando era bem jovem. Aos 15 anos abandona a escola e passou a ficar o dia todo tocando guitarra. Ele descreve a si mesmo nesse momento como "um pequeno músico dork que viveu nos cantos, largou a escola e apenas tocava guitarra o dia inteiro". Em 1997, com a idade de dezessete anos, juntou-se a banda The Bicycle Thief, que tinha como líder Bob Forrest, e gravou com a banda o álbum You Come and Go Like a Pop Song, primeira gravação de Josh. Anthony Kiedis observou que "Bob [Forreste] sempre teve uma forte sensibilidade em encontrar pessoas extremamente talentosas, com as quais ele queria apenas ir para uma cozinha e compor uma música."

Em 2000, o The Bicycle Thief abriu shows do Red Hot Chili Peppers durante a turnê do album Californication.

John Frusciante e Ataxia
Klinghoffer e o guitarrista John Frusciante começaram a escrever juntos em 2002, com a esperança de gravar e lançar um álbum sob o nome da banda. Este álbum foi finalmente lançado como um lançamento solo de John Frusciante em 2004, intitulado Shadows Collide with People. Com relação a essa decisão, Frusciante afirmou:

"Nós tinhamos escrito uma canção juntos, "Omission" e esta canção surgiu através de uma colaboração. Ele tocou teclado e eu tocava guitarra, nós dois tivemos ideias para os vocais [...] Nos sentamos lá e rabiscamos nossas partes em um pedaço de papel e quanto estávamos prontos e nos juntávamos novamente e colocávamos nossas ideias juntas e elas se encaixavam perfeitamente. Naquela época, pensamos em fazer muitas canções juntos, como um presente. Com o passar do tempo, este álbum tornou-se mais um álbum solo no qual ele está me ajudando. [...] Nós faremos outros projetos nos quais vamos trabalhar juntos, mas percebemos que estas eram as minhas músicas e, portante tinha que ser um álbum solo."

Durante os primeiros seis meses de 2004, Klinghoffer continuou a ajudar Frusciante no estúdio durante uma pausa do Red Hot Chili Peppers. Juntos, eles gravaram dois álbuns solo de Frusciante, The Will to Death e Inside of Emptiness além de um álbum creditado por ambos, A Sphere in the Heart of Silence e com o músico Joe Lally os álbuns Automatic Writing e AW II sobre o nome de Ataxia.

Frusciante comentou sobre seu relacionamento com Klinghoffer, afirmando: "Ele é simplesmente uma pessoa muito talentosa e tem sido um amigo muito próximo nos últimos quatro anos. Ele é uma das poucas pessoas que eu realmente gostaria de passar muito tempo. Em muitos aspectos ele é a pessoa que está mais próxima de mim, e com quem eu posso falar honestamente sobre tudo. Sua opinião é muito importante para mim e eu valorizo ​muito isso".

Em 2004, Klinghoffer também apareceu no álbum de ex-colega Bob Forrest com a banda Thelonious Monster.

Stadium Arcadium tour e Dot Hacker 
Em 2007, Josh Klinghoffer se uniu ao Red Hot Chili Peppers para a última parte da turnê do Stadium Arcadium como membro de apoio, tocando guitarra de apoio, teclado e backing vocals (principalmente na canção So Much I). Foi a última turnê de Frusciante na banda e a primeira de Klinghoffer.

Klinghoffer fundou sua própria banda em 2008, Dot Hacker, onde ocupa o cargo de principal guitarrista e compositor, guitarra de apoio, cantor e pianista. Até o momento, eles lançaram quatro músicas, "Order/Disorder". "Eye Opener", Neon Arrow" (pelo myspace deles) e "Inhibition" que foi tocada em um programa de radio em Los Angeles com Bob Forrest.

Em 08 de maio de 2009, em meio da confusão de que Frusciante ficaria ou não na banda, Klinghoffer, Anthony Kiedis, Flea, Chad Smith, Ron Wood e Ivan Neville tocaram sob o nome The Insects no MusiCares devido ao compromisso de Kiedis em ajudar aqueles que lutam contra a dependência química e sua recuperação.

Red Hot Chili Peppers, I'm With You e indução ao Hall da Fama 
Em 12 de outubro de 2009, o Red Hot Chili Peppers encerrou um hiato de dois anos. Em dezembro Frusciante anuncia que deixou a banda, mas não houve anúncio oficial do que seria seu substituto. Em 29 de janeiro de 2010, Klinghoffer toca com a banda pela primeira vez como guitarrista em homenagem em um evento MusiCares para Neil Young. Demorou algumas semanas até que finalmente Klinghoffer foi anunciado como o substituto permanente de John Frusciante nos Chili Peppers.

A respeito de sua entrada na banda, Klinghoffer diz: "Eu sempre fui atraído pela ideia de uma unidade, uma banda que é uma família  uma irmandade. Desde a minha primeira lembrança, eles sempre pareceram uma banda com muito amor uns pelos outros."

Em maio de 2010, juntamente com Flea, Klinghoffer apresenta nos Estados Unidos o hino nacional em um jogo dos Lakers, durante a NBA Western Conference Finals contra o Phoeniz Suns.

Após 11 meses de ensaios e composições, em 13 setembro de 2010 o Red Hot Chili Peppers começou a gravar seu décimo álbum de estúdio e a gravação terminou em março de 2011. Klinghoffer também participa nos backing vocals e teclados no novo álbum, chamado I'm With You, foi lançado em 29 de Agosto de 2011. O primeiro single do novo álbum da banda foi "The Adventures of Raindance Maggie" com o som de guitarra característico  e camadas com o estilo único de Klinghoffer, levando claramente à banda para uma nova direção musical.

Em 2011, Klinghoffer escreveu e tocou a trilha sonora original para o documentário de Bob and the Monster. Klinghoffer também aparece no documentário, que é baseado na vida e carreira do músico Bob Forrest.

Klinghoffer também aparece no álbum solo do ex-baixista do Jane's Addiction, Eric Avery.

Foi induzido ao Rock and Roll Hall of Fame em 2012 como membro do Red Hot Chili Peppers. Aos 32 anos de idade, Klinghoffer se tornou o mais jovem artista já empossado, passando Stevie Wonder, que tinha 38 quando foi introduzido.

O dia de 14 de abril de 2012 o Red Hot Chili Peppers entrou na história da música ao entrar no Rock And Roll Hall Of Fame.




domingo, 30 de setembro de 2018

Red Hot Chili Peppers se apresentou no Silverlake Conservatory of Music - 29/09/2018‬

Na noite de ontem (29), o Red Hot Chili Peppers se apresentou no Silverlake Conservatory of Music.

Setlist:

‪1. Ramblin Man (The Allman Brothers cover)‬
2. Dark Necessities‬
3. I Like Dirt‬
‪4. Goodbye Angels‬
‪5. Under The Bridge‬
‪6. By The Way‬
‪7. Purple Haze (Jimi Hendrix cover)‬

Red Hot Chili Peppers - Purple Haze (Jimi Hendrix Cover) 29/09/2018


Fotos do evento:








sábado, 29 de setembro de 2018

Review: Gravações e composições do álbum "The Uplift Mofo Part Plan"

Matéria publicada em abril de 2014 aqui no blog.


Trechos do livro "Scar Tissue, a vida alucinada do vocalista dos Red Hot Chili Peppers" (2004), ao qual Anthony Kiedis falou sobre momentos da gravação e composição do álbum "The Uplift Mofo Party Plan".

De acordo com o vocalista Anthony Kiedis, o processo de composição do álbum começou  depois de uma nova onda de entusiasmo de sua nova vida. Decidiu escrever uma canção sobre sua experiência de reuniões, de ficar limpo das drogas e da batalha ao vício das drogas. Anthony pegou um bloco de papel, olhou para as nuvens pela janela do avião e começou a escrever uma música ao qual retrata muito bem sua luta contras as drogas. Foi aí então que surgiu a música "Fight Like A Brave".

Pronto para voltar ao trabalho, Anthony Kiedis sentou ao lado do produtor Michael Beinhorn e começou a analisar as canções. Deveria entrar no estúdio e fazer as faixas básicas do álbum em dez dias. E não foi um processo cansativo, pois segundo o vocalista, na época bastava fazer doze canções para um disco.

Quando a banda trabalhou na música "Fight Like A Brave", o produtor Beinhorn colocou um coro de torcida de futebol cantando atrás. "Me And My Friends" Anthony escreveu enquanto viajava de San Francisco para Michigan com seu amigo Joe Walters. "Funky Crime" foi resultado de uma descrição lírica de uma conversa que Anthony teve com George Clinton, no qual ele afirmou que a música em si não fazia distinção de cor, mas a mídia e as rádios a segregavam conforme as ideias que faziam dos artistas. "Backwoods" era sobre as raízes do rock and roll e "Skinny Sweat Man" era uma ode de Hillel Slovak. "Behind The Sun" foi uns crescimento definitivo para a banda. Hillel fazia um riff melódico incomum e Beinhorn  achou que a música podia estourar.

A música "Party On Your Pussy", segundo Anthony Kiedis, retratava sua reputação na época, ao qual a gravadora EMI se recusou a colocar no disco até a música ter mudado de nome para "Special Secret Song Inside". Anthony ainda disse que nem todas as músicas eram grosseiras. "Love Trilogy" tornou-se uma das favoritas do vocalista. A canção começava como um reggae e depois entrava num funk pesado e acabava em speed metal. Durante anos, quando alguém questionava as letras do Red Hot Chili Peppers, Flea dizia "Leia 'Love Trilogy' e vai saber o que é uma letra de verdade". Fala sobre amar coisas que não são necessariamente perfeitas ou amáveis.

Anthony Kiedis disse que as canções do álbum eram incríveis. Hillel Sloval estava em chamas, todos da banda estavam apaixonados pela gravação no porão da Capitol Studios, outro incrível monumento histórico da música em Hollywood e Beinhorn trabalhava intensamento no álbum. 



Anthony Kiedis ainda conclui que gravar o disco foi maravilhoso. Jack Irons tinha acabado de voltar a banda e dava um elemento diferente e importante à química da banda. Hillel, Flea e Anthony eram os caras maníacos obcecados e Jack Irons era o cara íntegro, trabalhador, alegre e compreensivo. Quando chegou a hora de gravar os vocais, Anthony usou Hillel como seu produtor. Cada vez que fazia um vocal, ambos achavam que estava descobrindo algo novo e que essas eram as melhoras coisas que tinham gravado. Hillel ficava em êxtase, dizendo: "Essa é a coisa mais maravilhosa que já fizemos".